terça-feira, 31 de agosto de 2010

Fiso folia

Pelos padrões do Brasil, qualquer sujeito que pega um revólver e sai assaltando já pode ser considerado suficientemente politizado...

Louco, mas nem tanto...


Essa piada foi enviada por um leitor. Confesso que ri muito, na madrugada, e resolvi compartilhar com vocês. Lá vai:

Havia um rapaz cujo irmão era meio tantã. Certo dia, ele estava se arrumando para sair com a namorada,quando o irmão tantã pergunta:
- On cê vai?
- Vou sair com minha garota.
- Vô cocê!
- Não vai comigo, não!
E a mãe, com aquele enorme zelo pelo filho doente:
- Vai levar o seu irmão sim, ele é diferente e precisa de atenção!
O irmão levou-o para o encontro. Chegando lá, conversa vai, conversa vem, ele começa a beijar a namorada quando o irmãozinho diz:
- Qué também!
- Quer o quê? Beijar minha namorada? Nem pensar!
E a moça, com pena:
- Não tem problema amor, é só um beijinho, ele é doente.
E o louquinho lasca um beijo na namorada do irmão.
No outro dia:
- On cê vai?
- Dar uma volta com minha namorada...
- Vô cocê!
- Não, hoje não!
E a mãe:
- Ah, meu filho, leva seu irmão, ele é doente...
Então o irmão, impaciente, leva o outro de novo. No meio da bagunça, o louco vê seu irmão bolinando os seios da namorada.
- Qué fazê isso também!
- Nem pensar! Não, não e não!!!
E a namorada:
- Só um pouquinho, meu bem, ele é doentinho...
E o louco mete as mãos no seio da moça. No outro dia, enfurecido, o irmão se arruma para sair com a namorada,quando:
- On cê vai?
- Vou dar a bunda!
- Demora não, tá?!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Serra ou Dilma?


Devíamos estar comemorando a eleição iminente da Dilma para a presidência da República. Uma mulher chegando ao cargo máximo do poder público no Brasil, depois de mais de 500 anos de mando masculino. Quem sabe um olhar feminino, já testado no Chile, na Argentina, na Inglaterra e sei lá quantos outros países, não acabe fazendo bem também para o Brasil?
Pessoalmente, não estou feliz com essa perspectiva. Não vejo na Dilma as qualidades para a envergadura do cargo. Eu sei que dirão que ela é mais estudada que o Lula, mas o fato é que o Lula "se fez" como líder, a partir do movimento sindical. É o tal "intelectual orgânico", o que quer que isso signifique em se tratando de Lula e do Brasil. A Dilma só tem atrás de si o fato de ter sido o nome escolhido pelo presidente para sucedê-lo. Se for medíocre - e temos razões de sobra para crer que o seja - será um fantoche nas mãos de Lula e do PT. Se tiver vôo próprio, poderá levar o governo e o País para onde ninguém sabe.
Pior que isso, só ver um sujeito com o perfil do Serra protagonizando uma das campanhas mais desastradas de toda a história republicana. Demorou para se definir como candidato, depois ficou esperando o Aécio como vice, que não veio. Chamou o Álvaro Dias, que acabou defenestrado em favor desse tal Índio, figura inexpressiva na política nacional. Para enterrar de vez, seus marqueteiros me aparecem com essa de que depois do Silva quem vai governar é o Zé. Que Zé? O homem é conhecido como Serra, deus idiotas!
Os marqueteiros do Serra são a prova de que a anencefalia nem sempre é uma doença mortal.

Erdogan Basol - Turquia

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Sete contos de mentiroso


Eu gostava de ler Fausto Wolff nos bons tempos do Pasquim. Ele parecia fazer o tipo do injustiçado, do amargurado, do cara que está disposto a enfiar o pé no mundo. mas esse era o jeito dele mesmo. Com um detalhe relevante: sabia escrever como poucos. Nada que se compare aos iconoclastas fajutos de hoje, como esse, com o perdão da palavra, Diogo Mainardi... Recomendo "O dia em que comeram o ministro" como saborosa mostra da sua lavra. Também foi tradutor de mão cheia. Em tempo: foi duas vezes candidato a deputado federal pelo PDT e perdeu. Deve ser por isso que só viria a morrer em agosto de 2008. Se tivesse ido para o Congresso, certamente teria morrido antes. De tédio.
Selecionei esse texto, que gosto muito.



1 - Não há nada mais terrível que a palavra extinção. Para quem acredita em ressurreição ela é pior que a morte. Extinção significa nunca mais. Houve várias extinções quase totais na terra. Delas sobreviveram os mais aptos. A primeira teria ocorrido entre 600 e 500 milhões de anos (o que é isso para os paleontólogos?) Naquela época viviam na Câmbria, hoje conhecida como País de Gales uns animais chamados Trilobitas embora não soubessem que assim se chamavam. Como seus fósseis foram encontrados por lá, esta extinção passou a para a Ciência como Era Câmbria. Os Trilobitas eram a forma de vida, a dominante. Parentes distantes, naturalmente, dos modernos caranguejos, tinham entre dez centímetros e um metro e meio. Estamos falando da Era Paleozóica (palaios=velho + zoon= animal). É claro que entre 4 a 3 bilhões e meio de anos (o que é isso para os paleontólogos?) já havia vida na terra. Coisinhas nojentas como organismos multifacetados de bactérias, algas verdes, vírus e protozoários mas ninguém ainda encontrou um fóssil de um bicho desses que não fosse logo descartado como cocô de pulga. Perto do fim dos tempos Cambrianos, cinqüenta por cento da vida na terra havia desaparecido e entre eles muitos tipos de Trilobitas.


Os fósseis encontrados no País de Gales em 1835 revelam que a Terra era pululada por ascendentes de esponjas, medusas, estrelas do mar, vermes, mariscos e caranguejos. Alguns sobreviveram e são comidos até hoje, outros não.. Os que desenvolveram conchas, conseguiram se proteger dos predadores mas os Trilobitas – cujo nome quer dizer três lóbulos - que durante milhões de anos não tiveram um inimigo natural, não souberam se proteger. Viviam em mares profundos barrentos e aparentemente nem antes nem depois, em toda a história da terra, nenhuma criatura teve um olho tão eficaz. Os Trilobitas não foram extintos abruptamente. Reinaram durante milhões de anos e se não houvessem sido extintos os oceanos hoje em dia seriam muito diferentes. Quando os peixes apareceram quase não havia mais Trilobitas. Deduz-se, portanto, que foram deglutidos juntamente com seus ovos, por criaturas bem mais ágeis que também desapareceram. Os Trilobitas tentaram se defender. Tentaram se adaptar criando protuberâncias e excrescências que mais os atrapalhavam que protegiam. No final, morriam mais do que nasciam até o dia em que não nasceu mais nenhum. Posso lhes garantir que o mais estúpido dos seres vivos – o homem – que mata por prazer – não teve nada com a extinção dos Trilobitas.


2 - O homem desce do taxi e abre o portão que dá para um jardim abandonado. O homem observa tudo com muito cuidado. As árvores, as plantas, os arbustos e as milhares de ervas daninhas. Finalmente chega a uma árvore podre;. Sobre ela está uma casinha de brinquedo que cai no chão e se desmancha em pó. Sobre o pó caem algumas lágrimas do homem. As lágrimas da infância não são mais visíveis no pó mas pesam tanto dentro do homem que ele cai sobre a casinha que um dia, pensou, poderia protegê-lo para sempre.


3 - Nilton Fernandes, carioca da Penha, cobria para a UPI o campeonato de xadrez em Reykjavik, Islândia e disputado por Spasski e Fischer em 1972. Depois de uma partida, um colega italiano apresentou-o ao jornalista Erik Ulfson que adorava o Brasil e convidou-o a jantar na sua casa. Depois do jantar, Erik que era casado, tinha mulher e dois filhos pequenos, convidou-o para tomar uma sauna.


Nilton disse-lhe que não trouxera calção de banho e o casal riu muito. Alguns minutos depois, Erik, mulher e filhos já estavam pelados. Nilton também ficou nu e acomodou-se num canto da sauna rezando para que a parte mais indiscreta do seu todo não cometesse nenhuma indiscrição, pois a mulher de Erik era uma daquelas Valquírias que deixariam Wagner muito excitado. Depois da sauna, ainda nus, insistiram para que o jornalista brasileiro bebesse mas ele retirou-se na primeira oportunidade.
No dia seguinte encontrou o jornalista italiano:
- Falei com Erik e ele me disse que sua mulher estava a fim de trepar contigo e que você se arrancou.
- Mas ele não gosta dela?
- Os dois se amam mas o que isso tem a ver com o sexo?
- perguntou o italiano que já vivia há muito tempo na Islândia.
Alguns anos depois Erik tentou se matar após encontrar a mulher na cama com um sujeito a quem ele não dera permissão para ela transar. Um mexicano, por sinal.


4 - Os dois homens – um de seus sessenta e o outro de seus quarenta anos – discutiam amigavelmente na sauna.
- Sinto muito mas você fracassou e este fracasso foi decisivo para a queda dos estados helenos – disse o mais velho.
- Sinto muito – respondeu o mais jovem – mas você não foi testemunha ocular da guerra do Peloponeso. Se sabe alguma coisa é sobre a guerra contra os persas.
- Sinto muito mas na minha opinião você escreve ficção, Eu pesquiso.
- Podes até pesquisar, mas sempre te esqueces de citar o velho Hecateus, de Mileto em cuja sabedoria muito bebeste..
- Sou grato a Hecateus e se não o cito é porque sua obra é por demais conhecida.
- Podes dizer o que quiseres, velho, mas meu nome será reverenciado como pai da Pesquisa.
- E eu serei reverenciado como pai da História.
Neste momento, Sócrates entrou na sauna acompanhado de um bando de jovens e de passagem disse aos dois:
- Heródoto, Tucídides, não briguem. Pesquisa quer dizer História e História quer dizer Pesquisa.
À esta altura, dirá o leitor:
- Sinto muito, Fausto Wolff, mas quando Platão nasceu Heródoto e Tucídides já haviam batido as sandálias.
E eu digo ao leitor:
- Se não há coerência entre os fatos, pior para os fatos como vociferou Nelson Rodrigues em tarde inspirada.


5 - Numa bela tarde de maio de 1845, o menino Leopold, filho do chefe de polícia da cidade austríaca de Lemberg, brinca dentro do armário entre os casacos de pele. Neste momento entra no quarto a sua tia Zenóbia com o amante. Em menos de cinco minutos, ela tira o sobretudo, o casaco, o pulôver, a blusa, o soutien, a saia, as doze anáguas, as meias, as ligas, os sapatos, o espartilho e as calcinhas que recém haviam sido inventadas. Em meio ao ato sexual que se seguiu, Zenóbia nota que o sobrinho de nove anos espiava pela fresta do armário. Interrompe a sacanagem, chama o menino, tira-lhe as calças e aplica-lhe trinta cintadas no popô. Sem o saber, Zenóbia, dona de um belo par de coxas macias, ao aplicar o corretivo no garoto que se chamava Leopold von Sacher-Masoch, havia inventado o masoquismo. O menino cresceu extraindo prazer da dor e das humilhações. Adorava ser corneado. Casou-se várias vezes e teve três filhos, aparentemente seus, para sua tristeza.


Um dos filhos de Masoch teria dito um dia à sua irmã:
- Trouxe o boletim e só recebi notas péssimas.
E a menina:
- Melhor não mostrar ao papai senão ele vai te obrigar a bater nele.


6 - Se há uma hora em que deixo a condição de agnóstico para transformar-me em deísta, é dentro de um avião e como vocês que me lêem não sabem, neste momento ando viajando pela Europa. Viajando entre Copenhague e Roma, acabado o primeiro litro de uísque e o “Pai nosso que estás no Céu” continuei pensando em Deus. No momento pré-apocalíptico que vivemos surgiu um novo bum de Deus, este mesmo que a ciência julgou ter matado quando Darwin enfiou o último prego no seu caixão. Não sei se todos esperam o mesmo Deus mas há fome de deus entre os mortos de fome, o que restou da classe média e até mesmo entre os ricos, os intelectuais e os cientistas. O deus que todos esperam deve ser sobrenatural e vir de outro mundo. A angústia e o vazio existenciais, a flor e o átomo, não são mais suficientes. O pessoal quer apertar a mão de Deus e bater um papinho com ele. A própria classe dominante, eterna masturbadora do falo do poder, está cansada de morder o próprio rabo neoliberal. Quer meter Deus entre o rabo e a boca. Dizem, por exemplo, que a rainha da Dinamarca está convencida de que fala com Deus.


7 - Há milhões de histórias na cabeça do contador de histórias. Parece, entretanto, que um cineasta louco filmou-as ou em terrível câmara lenta ou com uma câmara de nuclear velocidade. Elas se embaralham, se confundem, não fazem sentido. O contador de histórias sabe que precisa dar-lhes uma ordem não só crono como psicológica para que seus leitores se comovam, se divirtam e ocasionalmente, como ele, pensem. Os pensamentos doem e ele imagina como sua vida seria boa se não precisasse escrever; se conhecesse outra profissão que lhe permitisse viver com uma dignidade talvez até mesmo maior? Mas estava velho e tinha medo. Como era mesmo o nome daquele bar? O que diziam as pessoas? Quem era aquela moça ao fundo, tão jovem, tão dolorosamente linda, que acenava para ele que também era jovem e agora – espectador e protagonista - não podia enxergar com a nitidez dos ideais do passado? Voltou para casa e escreveu: “Há milhões de histórias na cabeça do contador de histórias...” Sentiu que havia alguma coisa de profundamente errado naquilo tudo mas não conseguia descobrir o que era, o que fora, por que todos aqueles porquesins indecifráveis esperando na noturna fila assimétrica.


8 - Esta história quem me contou foi B.Traven, um grande artista e um melhor ser humano, pois, em verdade, ninguém sabe quem foi ele, exceto eu.


No princípio do século XX um turista americano que visitava as florestas mexicanas, dispersou-se do grupo e acabou encontrando uma tribo de índios que tivera pouquíssimo contato com os bárbaros europeus. Entre os índios, o turista descobriu um que era exímio artesão. Fazia um cestos maravilhosos, dignos de figurar em qualquer museu artístico do mundo. Algo, realmente, de uma beleza inenarrável como a triste alegria de um por de sol ou uma gota de orvalho refletindo o mundo. O turista comprou um cestinho por um peso e os índios o reconduziram até sua caravana. Em Nova York, a peça artesanal foi tão elogiada que o homem decidiu voltar à aldeia indígena no México e iniciar uma produção em larga escala. Dirigiu-se ao velho artesão e perguntou-lhe quanto custava um cesto. O índio:
- Um peso.
- E dois?
- Três pesos.
O homem não entendeu a lógica e continuou.
- E cinco?
- Cinqüenta pesos.
Por mais que o gringo tentasse explicar-lhe que o preço deveria diminuir na medida em que a produção aumentava, não conseguia fazer o índio mudar de idéia. Finalmente, o cesteiro lhe disse:
- Se eu vender um cesto por dia a um peso, ainda tenho tempo para me divertir, tomar mescal, pescar e fazer amor. Se vender dois, será mais difícil, se vender três, terei uma vida triste e se vender cinco não terei tempo para mais nada.< br> - Mas você pode fazer os outros trabalharem para você.
- Estás louco, gringo? Eles me matam.


O turista começou a gritar, a vociferar, ameaçar, tremer, a babar, a fazer tal escândalo que tiveram de prendê-lo na esperança de que se acalmasse. Como não se acalmou, deram-lhe tanta mescalina que ele enlouqueceu. Acabou morrendo entre os nativos como o “bobo da aldeia.” Mais tarde outros americanos, como vocês bem sabem, apareceram por lá e abaixo de pau acabaram por convencer os índios que o capitalismo não é uma loucura.


PS - Velho quando começa a babar e volta e meia tem de correr até o banheiro para não fazer pipi nas calças, enfim, um velho como eu, não é companhia muito procurada. De quando em vez, porém, recebe alguns presentes como o que recebi do Edu Goldenberg que com seu irmão é dono do Estephaniu’s, bar da rua dos Artistas, 130 na fronteira da Aldeia Campista com Tijuca e Vila Isabel. Eles me convidaram para assinar meus livros, principalmente, o Gaiteiro Velho. Foi uma festa muito bonita. Deu até no Ancelmo Góes e creio que por isso mesmo até o Nataniel Jebão compareceu, logo ele que não atravessava o Túnel Novo há mais de cinqüenta anos. Muito obrigado de todo o coração ao Edu, à Dani sua mulher, à dona Maria sua mãe e à dona Mathilde sua avó e excelente crooner. Muito obrigado ainda ao meu guru Aldir Blanc que compareceu com seu conjunto Torresmos e Moelas absolutamente imbatível para quem gosta de música e não desses ruídos que se ouve no rádio e na TV. Alguém aí está reclamando porque publiquei oito histórias e o título fala em sete? Isso é porque sete é conta de mentiroso.

Acharam o Homer Simpson!

Gostosa é a vovozinha!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Você sabe que é um péssimo motorista quando...


- Seus amigos preferem andar vários quilômetros a pé, quando vão ao trabalho, do que aceitar uma oferta de carona vinda de você.
- Os corretores de seguro cortam volta quando você é visto em algum lugar da cidade.
- As pessoas que entram no seu carro colocam o cinto, respiram fundo, fazem o nome do pai e vão com o terço na mão.

- As pessoas te perguntam a respeito do acidentes e você diz: “Qual deles?”.
- O instrutor da auto-escola sai do carro suando frio, tremendo e jurando por todos os santos que vai mudar de profissão de uma vez por todas.
- Pede ao policial que segure a sua lata de cerveja enquanto procura seus documentos e os do veículo no porta-luvas.

- A Polícia Rodoviária conhece os números da placa do seu carro de cor.
- Bate no carro da frente enquanto está tentando sair de ré.
- Consegue ser atropelado pelo portão eletrônico.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Avatar, o filme!

O OUTRO

só quero
o que não
o que nunca
o inviável
o impossível

não quero
o que já
o que foi
o vencido
o plausível

só quero
o que ainda
o que atiça
o impraticável
o incrível

não quero
o que sim
o que sempre
o sabido
o cabível

eu quero
o outro


Chacal

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Salve-se quem puder!


A política anda uma esculhambação no Brasil? Realmente, anda. Mas, pelo que tudo indica, as coisas vão melhorar bastante a partir do ano que vem, com a eleição de pessoas de reconhecida capacidade e que estão se destacando em setores como esporte, música, televisão etc. Como é bonito ver o desprendimento, a consciência política, o altruísmo, o espírito comunitário e todos aqueles ideais nobres que movem o ser humano influenciando agora, de forma direta, esse respeitável grupo de artistas e intelectuais brasileiros a se lançar na vida partidária!
Avante, valorosos bastiões do civismo nacional! Uma vida de glória vos espera!



No Esporte:

Acelino Popó Freitas (PRB-BA)- O boxeador concorre a deputado estadual
Maguila (PTN-SP)- Ex-boxeador,quer ser deputado federal
Marcelinho Carioca (PSB-SP)- Ex-jogador, concorre a deputado federal
Romário (PSB-RJ)- Ex-jogador, busca uma vaga na Câmara Federal
Vampeta (PTB-SP) - Ex-jogador, concorre a deputado federal
Fabiano (PMDB-RS) - Ex-atacante do Inter, é candidato a deputado estadual
Danrlei (PTB-RS) - Ex-goleiro do Grêmio, concorre a deputado federal, virou crente e não dá mais voadora em ninguém!

Na Música:

Gaúcho da Fronteira (PTB-RS) - Músico concorre a deputado estadual
Kiko (DEM-SP) - Membro do grupo KLB, concorre a deputado federal
Leandro (DEM-SP) - Integrante do KLB, concorre a deputado estadual
Netinho (PCdoB-SP) - Cantor do grupo Negritude, concorre a senador (Aquele que bateu na mulher, lembram?)
Reginaldo Rossi (PDT-PE) - Cantor, concorre a deputado estadual (Aqui nessa mesa de bar...)
Renner (PP-GO) - Integrante da dupla Rick&Renner, concorre ao Senado
Sérgio Reis (PR-MG) - Cantor e ator, concorre a deputado federal (Panela velha é que faz comida boa)
Tati Quebra-Barraco (PTC-RJ) - Funkeira, concorre a deputada federal (Dako é bom, dako é bom)

Na Televisão:

Ronaldo Esper (PTC-SP) - O estilista quer ser deputado federal
Pedro Manso (PRB-RJ) - Humorista, disputa na vaga na Assembleia Legislativa
Dedé Santana (PSC-PR) - Humorista, quer ser deputado estadual
Tiririca (PR-SP) - Humorista, disputa uma vaga na Câmara Federal
Batoré (PP-SP) - Humorista, quer uma vaga na Câmara Federal (Ah, pára ooou!)

No Pomar:

Mulher Melão (PHS-RJ) - Cristina Célia Antunes Batista concorre a deputada federal (Sabe agachar...)
Mulher Pera (PTN-SP) - Suellen Aline Mendes Silva quer ser deputada federal (Lê e escreve...)

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O 13o. trabalho de Hércules


Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida depois de passar a semana lendo todos os posts deste blog. João Anacoluto, professor doutor em Literatura Mal Comentada pela Universidade Federal da Fuleragem Infinita (Belfast), acabou passando mal no terceiro dia de leitura. Medicado às pressas, não resistiu às complicações e veio a óbito. Segundo os médicos, ele teve estrebucho de arribação, cólicas na barriga da perna e rigidez irreversível do corpo cavernoso.
Mateus Damião Amado, mestre em Análise de Textos em Línguas Mortas e Semivivas pelo Instituto das Magnitudes Insignficantes de Boston (EUA), conseguiu ler todos os posts deste blog, desde a sua fundação, e sobreviveu à façanha. No entanto, teve que ser levado por uma unidade do Samu para um Pronto Atendimento 24 Horas, onde recebeu soro fisiológico e massagens regulares no ego. Na foto, momento em que Damião Amado ainda estava se convalescendo. "Ninguém merece", disse o mestre ao final, ainda visivelmente abatido.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Entrevista com o Vampiro


Exclusivo! Nosso blog conseguiu uma entrevista com o escritor Dalton Trevisan, o famigerado "Vampiro de Curitiba". A entrevista foi dada ao escritor Júlio Verme, nosso resenhista juramentado. "O encontro aconteceu no casarão dos Trevisan, nos arrabaldes de Curitiba. No princípio, Dalton se mostrou um tanto reservado, mas depois foi piorando", conta Júlio Verme.
Eis o fragmento de entrevista:
- E aí, Vampiro? Você fica bravo se eu te chamar de Sangue Bom?
Dalton, com ar de indiferença:
- A cigarra anuncia o incêndio de uma rosa vermelhíssima.
- O que tem a ver essa metáfora com a nossa conversa?
- No muro o caracol se derrete nos rabiscos da assinatura prateada.
- Ah, captei! Melhor que uma metáfora, só outra metáfora?
- Não fale, amor. Cada palavra, um beijo a menos.
- Dalton, como é seu relacionamento com a tecnologia? Você usa internet para saber o que acontece no mundo?
- O que não me contam eu escuto atrás das portas.
Segundo Júlio Verme, depois desse curto diálogo (?), Dalton interrompeu a entrevista e voltou para o seu sarcófago, de onde só sairá no final do ano para lançar seu último livro de contos, "A elefantíase do arcebispo".


Na foto, momento em que o nosso enviado especial, Júlio Verme, entrevistava Dalton Trevisan, que se recusou a falar sobre literatura, sobre política, sobre religião, sobre economia, sobre filosofia, sobre esporte e sobre todos os demais assuntos conhecidos pela raça humana nos últimos cinco mil anos.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Fernando Pica - Colômbia

Garanhão ataca miss durante desfile!

Essa é, seguramente, uma das cenas mais constrangedoras que já vi em toda a minha vida. Mostra que o sexo é, de fato, uma coisa animal...
video

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Os Dez Mandamentos do Médico do SUS


01 - Se você não sabe o que tem, dá VOLTAREN;
02 - Se você não entende o que viu, dá BENZETACIL;
03 - Apertou a barriga e fez 'ahhnnn', dá BUSCOPAN;
04 - Caiu e passou mal, dá GARDENAL;
05 - Tá com uma dor bem grandona? Dá DIPIRONA;



06 - Se você não sabe o que é bom, dá DECADRON;
07 - Vomitou o que ingeriu, dá PLASIL;
08 - Se a pressão subiu, dá CAPTOPRIL;
09 - Se a pressão deu outra subida, dá FUROSEMIDA!
10 - Chegou morrendo de choro, ponha no SORO.

E mais:

- Arritmia doidona, dá AMIODARONA;
- Pelo não, pelo sim, dá ROCEFIN.
- E se tudo não passar de neurose, diga que é a nova VIROSE!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

CIBELE SANTOS

Pitaco do leitor


No programa de sábado, na Globo News, a comentarista Cristiana Lôbo disse:
- Lula confessou aos amigos que quer ser lembrado pelo seu 2.º mandato como um grande estadista, tal como Getúlio Vargas.
A idéia parece excelente mas, todos nós, queremos saber:
Quando será o suicídio?

Uma nova bandeira para o Brasil


Primeiro falam na tal ficha limpa. Agora o ex-ministro Eros Grau diz que a lei do ficha limpa é um atentado ao estado de direito. Quer dizer que não é direito tirar do processo eleitoral quem já foi condenado e que carrega laços históricos evidentes com a corrupção e a bandalheira?
Esse Maluf, por exemplo. Num país sério, estaria na cadeia. De que adiantou colher um mundaréu de assinaturas para impor uma lei de iniciativa popular e contra os bandidos no exercício da coisa pública? Pra ter ministro agora homologando a candidatura dos ladravazes e dizendo que qualquer atitude contrária poria em risco as nossas instituições? Por que então escreveram na Constituição, que é a lei maior do país, que todo o poder emana do povo e em seu nome deve ser exercido?
Não sei quanto a vocês, mas eu já estou de saco cheio.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Wehe dir, Deutschland!

Estou terminando de ler um livro sobre a Gestapo. É impressionante o que fizeram homens como Himmler e Reinhard Heydrich. Mas é mais impressionante ainda ver que o mundo continua cheio de pessoas como eles. Uns matam em nome do fanatismo religioso, outros por causa do tráfico de drogas ou de velhas e esfarrapadas ideologias. Mas o que estou dizendo? O homem precisa de pretexto para matar?
Fico pensando apenas em quem é mais cruel: os que matam ou os que, na covardia, na omissão e no silêncio, dão a eles todo o poder para que continuem agindo assim?

poetas velhos




Bom dia, poetas velhos.
Me deixem na boca
o gosto dos versos
mais fortes que não farei.

Dia vai vir que os saiba
tão bem que vos cite
como quem tê-los
um tanto feito também,
acredite.



paulo leminski