terça-feira, 30 de junho de 2009

Eu não gosto de Michael Jackson!


Desculpem, mas eu nunca consegui gostar do Michael Jackson. Um puta artista, um grande dançarino - cantor, nem tanto. Mas pelo conjunto da obra, eu daria uma nota meia boca. Nunca tive vontade de comprar um disco do MJ, nem mesmo de baixar pelo Emule ou coisa parecida. Na adolescência, gostava de rock: Beatles, Stones, Pink Floyd, Led... Os gritinhos do MJ se somavam a outras bobajadas da disco music que deixavam nossa tribo indignada. Hoje, só jazz e alguma coisa erudita.

Mas ligar a tevê ou o rádio, abrir o jornal ou as revistas e conectar-se à Internet nesses dias tem sido uma exposição nauseante às imagens, à música e a uma infinidade de futricas e fofocas sobre MJ. A mídia cresceu, sobretudo com a proliferação desordenada de sites, blogs e outras invencionices do mundo virtual. Falta assunto para alimentar tanta voracidade. Resultado: um morto famoso cai como um boi em rio infestado de piranha. Enquanto não devorarem o fio da última víscera, sai debaixo!

Fico pensando o que vão fazer com a gente quando morrer, por exemplo, o Roberto Carlos. E o Sílvio Santos?

Manchetes que vão fazer sucesso em 2037:

“Ozônio criado por carro elétrico mata milhares de pessoas no maior deserto do Brasil, a Amazônia”.

Ordem e Progresso

PARA QUEM ACHA que o governo já tem programas demais, uma notícia: Brasília prepara uma saraivada de novas ações para garantir os índices de popularidade da administração federal. Uma lista à qual tivemos acesso e que vai ser revelada agora, em primeira mão. Acompanhe:

FONTES SIGILOSAS nos adiantaram que depois do PAC (Pão, Água e Circo), está sendo preparado o Balanço de Operações Legislativas Avançadas (Bola). Na prática, vai funcionar assim: sujeito deu bola fora em pronunciamento na Câmara ou no Senado, leva uma bolada nas costas. Ou é condenado a ouvir discursos da Dilma Roussef todo dia, durante seis meses.

OUTRA AÇÃO que estaria em andamento é o Programa Intensivo de Auxílio Didático ao Analfabeto (Piada). A meta, como o nome diz, é erradicar o analfabetismo entre adultos de todo o Brasil o que inclui, naturalmente, aulas e cursos intensivos com boa parte dos membros do próprio governo.

IMPORTANTE MESMO é o Programa de Revisão Organizacional dos Poderes Institucionais Nacionais e Autárquicos, popularmente chamado de Propina. Tem como objetivo destravar engrenagens, abrir portas nas repartições públicas, desemperrar processos e outros procedimentos similares. Era para ter sido lançado no ano passado, mas a comissão que o elaborou recebeu propina para adiá-lo por mais seis meses.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Sexo forte? Nós?


Dia desses, numa discussão entre amigos, discutia-se o fato de as mulheres serem o sexo frágil. Sinceramente, ainda há alguém que acredita nisso? A mulherada tomou conta do pedaço. Aliás, nós é que estamos nos transformando nos reis do pedaço. As mulheres são as donas do todo. E só não estão mandando mais porque ainda não se deram conta de que podem tomar o poder pelo voto, elegendo mais vereadoras, deputadas, senadoras, prefeitas, governadoras e até a presidência da República. Ou não?

sábado, 27 de junho de 2009

Você sabe que mora numa pequena cidade do interior quando...

- Já atropelou pelo menos uma vaca e dois cavalos desde que tirou sua carteira de habilitação.
- Sabe como ninguém o que significa “A vaca foi pro brejo”.
- Sabe como ninguém onde foi que Judas perdeu as botas.
- As pessoas sabem de onde você é na cidade só pelo seu jeito de dirigir.

- Seu conceito de “festa de arromba” é quando a família resolve matar porco.
- Nas tardes de domingo, 80% da população estão no campo vendo o time local.
- Todo mundo vai dormir às 19h30 porque a partir das 8 chegam as nuvens de pernilongo.
- Metade da população não tem celular. A outra metade tem, mas não faz a menor idéia de como funciona.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

renata


não sei mais
como é que se faz
um poema pra te dizer
eu te amo

eu te chamo
no escuro da noite
desses anos todos
que já se passaram
e não te acho

embaixo
do tapete dos nossos sonhos
deve haver alguma coisa
que ainda se aproveite

Enviada por leitor

Vai vendo

POR FORÇA DE ALGUMA pobreza intelectual, muitos jornalistas, sempre que vão fazer reportagem sobre personalidades, começam com um “Se fulano de tal fosse vivo, estaria completando hoje...”. Foi assim que vimos, dia desses, uma mocinha num canal por assinatura começando sua reportagem: “Se Elis Regina fosse viva, estaria completando 63 anos...”. Disso isso e seguiu com uma série de obviedades sobre a cantora.
Agora só falta alguém começar uma reportagem assim: “Se Shakespeare fosse vivo, estaria completando hoje 444 anos. E, provavelmente, chutando o pau da barraca por não conseguir a sua aposentadoria por idade...”.

Você sabe que mora numa pequena cidade do interior quando:

- Sua noção de “engarrafamento no trânsito” é quando dez carros esperam passar um trator na rodovia.
- Quando sai para municípios vizinhos você diz que vai “à cidade”.
- Não tem a menor idéia do que significa “transporte coletivo urbano”.
- Todas as grandes festas da comunidade têm nome de frutas ou vegetais.

Dá licença!

O Silas Matar não foi o único que achou preconceituoso tirar sarro nas nossas origens caboclas. Gente, dá licença! Isso se chama humor. É óbvio que se trata de uma caricatura. Vocês estão 100 anos atrasados, pois o Monteiro Lobato já fez isso no começo do século passado, com o Jeca Tatu.
Falei?

terça-feira, 23 de junho de 2009

Manchetes que vão fazer sucesso em 2050:

- Alemão inventa carro invisível, mas acaba perdendo o veículo no estacionamento.
- Historiadores concluem que o homem é o melhor amigo do cão e escravo do gato.
- Líder fanático é preso depois de afirmar que o homem é uma tentativa frustrada de Deus de aperfeiçoar o burro.

- Pesquisadores da Dinamarca descobrem que o homem é o elo perdido entre os macacos e os seres humanos.
- Estudo desenvolvido nos últimos 30 anos comprova: homem vive por causa de cachaça, mulher e dinheiro. Não necessariamente nessa ordem.
- Paz volta a reinar na favela da Rocinha, depois que os traficantes prenderam ontem o último grupo de policiais que ainda estava em liberdade.

Você sabe que tem raízes caipiras quando...

- Põe uma lâmina fixa em dois pedaços de pau, na entrada de casa, para tirar o barro dos pés antes de entrar.
- Todos os troféus que você conquistou foram resultado de atividades desenvolvidas no Sindicato Rural.
- A fivela do seu cinto cobre quase metade da sua barriga.
- Conversa mais com seu cachorro do que com sua esposa.

domingo, 21 de junho de 2009

A Carta de Despedida de Kurt Cobain


Para Boddah (Amigo imaginário que Kurt tinha quando era pequeno)


"Falando da língua de um simplório experiente que obviamente preferiria ser um eliminado, infantil e chorão. Este bilhete deve ser fácil de entender.Todas as advertências dadas nas aulas de punk rock ao longo dos anos, desde a minha primeira introdução a, digamos assim, éticas envolvendo independência a aceitação de sua comunidade provaram ser verdadeiras. Há muitos anos eu não tenho sentido a excitação de ouvir ou fazer música, bem como ao ler e escrever.
Minha culpa por isso é indescritível em palavras.Por exemplo quando estou atrás do palco e as luzes apagam e o ruído maníaco da multidão começa, não me afeta do jeito que afetava Freddy Merucury que costumava amar, se deliciar com a adoração da multidão que é algo que eu totalmente admiro e invejo. O fato é que eu não posso fazer você de tolo, nenhum de vocês, posso enganar. Simplesmente não é justo a você ou para mim.
O pior crime do que eu posso imaginar seria enganar as pessoas sendo falso e fingindo como se eu estivesse me divertindo 100%.Às vezes eu acho que eu deveria acionar um despertador antes de entrar no palco. Eu tentei tudo dentro de meu alcance para gostar disso(e eu gosto, Deus, acredite em mim eu gosto, mas não foi o suficiente). Eu aprecio o fato de que eu e nós atingimos e divertimos muitas pessoas. Eu devo ser um desses narcisistas que só dão valor as coisas quando elas se vão. Eu sou sensível demais. Preciso ficar um pouco dormente para ter de volta o entusiasmo que eu tinha quando criança.Nossas últimas três turnês, tive um reconhecimento por parte de todas as pessoas que conheci pessoalmente e dos fãs de nossa música, mas eu ainda não consigo superar a frustração, a culpa e a empatia que eu tenho por todos. Existe o bom em todos nós e acho que eu simplesmente amo as pessoas demais, tanto que chego a me sentir mal. O triste, o sensível, insatisfeito, pisciano, pequeno homem de Jesus. Por que você simplesmente não aproveita? Eu não sei!
Eu tenho uma esposa que é uma deusa, que transpira ambição e empatia, e uma filha que me recordam muito do que eu era, cheio de amor e alegria, beijando toda pessoa que ela encontra porque todo o mundo é bom e não a fará nenhum dano. E isso me apavora ao ponto de eu mal conseguir funcionar. Eu não posso ficar com a idéia de Frances se tornar o triste, o autodestrutivo e mórbido roqueiro que eu virei. Eu tive muito, muito mesmo, e eu sou grato por isso, mas desde os sete anos , passei a ter ódio de todos os todos os humanos em geral. Apenas por que eu amo e sinto demais por todas as pessoas, eu acho.Obrigado do fundo de meu nauseado estômago queimando por suas cartas e sua preocupação ao longo dos anos. Eu sou mesmo um bebê errático e triste! Não tenho mais a paixão, então lembrem, é melhor queimar do que se apagar aos poucos.


Paz, Amor, Empatia.

Kurt Cobain


Frances e Courtney, eu estarei em seu altar.

Por favor, vá em frente Courtney, por Frances.

Por sua vida, que vai ser mais feliz sem mim.

EU TE AMO, EU TE AMO!

sábado, 20 de junho de 2009

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Sem comentários

Coisas que você jamais ouvirá da geração jacu:

- Neste ano não vou querer saber de camisa xadrez. De agora em diante, só cores frias e discretas.
- Trago tudo aqui, devidamente armazenado no meu pen drive.
- Ei, descobri um filme do Mazzaropi que nós ainda não assistimos!


- Quem são Rick e Rener?
- Nada de queimadas em nossa propriedade. O fogo destrói o húmus, a camada de nutrientes da terra.
- Cachaça é coisa que eu não boto na boca. Já um Cabernet Sauvignon, que é uma casta de uvas da família da Vitis vinifera a partir da qual é fabricado vinho de alta qualidade...

Tempos de crise

A Bosch de Curitiba demitiu hoje 900 funcionários. A justificativa é a crise. Os pedidos caíram e a empresa reduziu a produção. Outra medida adotada pela empresa para enfrentar a recessão é a paralisação da produção por 10 dias. Mais de três mil funcionários ficarão em casa recebendo salários.
Mas que Boschta...

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Da série "Bobagens enviadas pelo Nato"

APENAS A LÍNGUA PORTUGUESA NOS PERMITE ESCREVER ASSIM...

Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor Português, pintavaportas, paredes, portais. Porém, pediu para parar porque preferiu pintar Panfletos. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poderprogredir. Posteriormente, partiu para Pirapora. Pernoitando, prosseguiupara Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres.Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente pintou pratos para poder pagar promessas.
Pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris. Partindo para Paris, passou pelos Pirineus, pois pretendia pintá-los. Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos,preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciamprecipitar-se, principalmente pelo Pico, porque pastores passavam pelaspicadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantespotrancas.
Pisando Paris, pediu permissão para pintar palácios pomposos,procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisariapercorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos, preferindo PedroPaulo precaver-se. Profunda privação passou Pedro Paulo. Pensava poderprosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento,provocando profundos pesares, principalmente por pretender partirprontamente para Portugal.
Povo previdente! Pensava Pedro Paulo...
-Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses. Paris! Paris! Proferiu Pedro Paulo.
- Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir.
Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém Papai Procópio partira para Província. Pedindo provisões, partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para Papai Procópio para prosseguir praticandopinturas. Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai.
Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, Papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu:
- Pediste permissão para praticar pintura,porém, praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Por que pintas porcarias?
- Papai, - proferiu Pedro Paulo - pinto porque permitistes, porém, preferindo, poderei procurar profissão própriapara poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal.
Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences, partiu prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticarprofissão perfeito: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar parapoderem prosseguir peregrinando...
Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piaus, piabas, piaparas, pirarucus. Partiram pela picada próxima, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, Papai Procópio procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito. Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo.
Primeiramente, Pedro Paulo pegava pedras, porém Péricles pediu-lhe para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente Pedro Paulo preferia pintar prédios. Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre Pedro Paulo pereceu pintando... Permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar... Para parar preciso pensar. Pensei. Portanto, pronto: Pararei!

OOO

Meu comentário, Nato: Puta que pariu!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

COISAS QUE VOCÊ...


... jamais vai ouvir de um jacu do brejo:

- Onde foi que vocês colocaram o meu livro do Shakespeare?
- Não deixem o cachorro comer isso aí que vai fazer mal.
- Nada de crianças na carroceria da caminhoneta. É muito perigoso!

- Nós nunca tivemos arma de fogo nessa casa.
- Amor, você mandou aquela doação para o Greenpeace?
- Desliga essa música de sanfona e põe aquele DVD da Filarmônica de Berlim.

- Tapete de couro de boi é a maior cafonice do mundo em matéria de decoração.
- Couve com torresmo de novo? Não tem sopa de aspargos ou faisão com molho de alcaparras?
- Buzina imitando berro de vaca é coisa ridícula e que me irrita.

terça-feira, 16 de junho de 2009

1970

Tudo o que eu faço
alguém em mim que eu desprezo
sempre acha o máximo.

Mal rabisco,
não dá mais para mudar nada.
Já é um clássico.




paulo leminski
Do livro "Distraídos Venceremos"

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Dia dos Namorados

RELACIONAMENTO ABERTO. O termo já foi mais badalado há alguns anos. Hoje, fala-se pouco a respeito disso, mas certamente com um número cada vez maior de praticantes. Será que é fácil homem e mulher, em comum acordo, viverem casados, mas com total liberdade e independência para cada um fazer o que quiser com quem bem entender? Imagine-se com dez anos de casado, a mulher chegando e dizendo:
- Amor, hoje eu vou ao cinema com o Ivan. Sabe o Ivan, aquele que tem o apelido de Pé de Mesa?

SE A MODA DO RELACIONAMENTO aberto realmente vingar em toda a sua plenitude, dia virá em que ouviremos confissões do tipo:
- O que eu realmente adoro nela é a maneira como nós não nos vemos e não nos falamos.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Dedique uma canção a quem você ama


NÃO DÁ PRA SABER direito onde as coisas vão parar em termos de unidade familiar com as mudanças impostas nesses tempos. Unidade? Eu disse unidade? Parece que a palavra de ordem é justamente a fragmentação, o prejuízo do todo em favor do isolamento. Somos desconhecidos dentro das próprias casas, onde cada um tem a sua televisão, seu computador com Internet, seu videogame. Desconhecidos íntimos, que se cruzam casualmente na sala de jantar ou a caminho do banheiro. Dia desses, um amigo fez o seguinte desabafo:
- Eu acho que eu e minha mulher ainda vivemos dentro daquilo que se pode chamar de família. Convivemos sob o mesmo teto, trocamos palavras eventuais e, até onde sei, ainda não devoramos nossas crias.

TÃO DISTANTES ESTAMOS muitas vezes que acontece de pessoas da mesma família se estranharem em situações que antes eram normais. Há dias, numa roda de prosa, alguém contava a história do sujeito que, querendo fugir um pouco da rotina, levou a mulher para jantar num sofisticado restaurante. Lá pelas tantas, depois de um bom vinho, resolveram lembrar os tempos de namoro e passar em um motel. Chegando lá, foram se abraçado e trocando beijos. Quando ela começou a tirar a roupa, ele disse:
- Antes que isso fique mais sério, é bom lembrar que nós dois somos casados...

O QUE MAIS IMPRESSIONA é o conceito de durabilidade dos sentimentos nos dias atuais. Ontem nos contaram a história de um sujeito que segurava as mãos de uma frágil moçoila e se dirigia a ela nesses termos:
- Será que você não entende? Eu te amo, eu preciso muito de você. Eu quero passar o resto... das minhas férias com você!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Parole

- Bem-aventurados os pés-frios de todas as nações do mundo. Ainda podem ser a salvação contra o aquecimento global...

Meio ambiente my ass!




Dá nojo essa hipocrisia em torno do Dia Mundial do Meio Ambiente. Trabalhinhos escolares, discursinho de político aproveitador, oba-oba de empresário interessado em faturar em cima da imagem de “empresa politicamente correta” e “socialmente responsável”. Estamos no dia 8 – três dias depois do Dia Mundial do Meio Ambiente. Ninguém fala mais no assunto.
Uma das piores enchentes dos últimos anos aconteceu em 1998, nas margens rio Yangtze, na China. Mais de 3 mil pessoas morreram e 230 mil perderam suas casas. O desmatamento foi o principal vilão dessa história: nos últimos 30 anos, 85% das florestas da bacia do rio Yangtze foram destruídas por madeireiros e hoje são usadas para a agricultura.
Estive na China no ano passado. Voltei convencido de que o mundo não vai longe. Pelo menos, não irá se não conseguirmos evitar que o resto do planeta siga o exemplo dos chineses. Envenenaram o ar, destruíram os rios, emporcalharam as águas. Em Guangzhou, as torneiras do hotel trazem a mensagem: “Undrinkable water”. Isso mesmo, água imprópria para consumo. Será própria para lavar o rosto ou escovar os dentes?
Recentemente, a Venezuela também sofreu com as enchentes. Em dezembro de 1999, as chuvas mais fortes registradas desde 1951 deixaram centenas de mortos, mais de 7 mil desaparecidos e 150 mil desabrigados. Desde então, isso se reproduz pelo resto do mundo, inclusive aqui no Brasil.
Discutir essas coisas não é mais entrar no modismo verde ou bancar o "ecochato". Estamos diante da encruzilhada da sobrevivência da vida na Terra. O que fazer? Para começo de conversa, transformar todo dia no Dia Mundial do Meio Ambiente. A disciplina de educação ambiental precisa entrar de uma vez por todas no currículo escolar – quem sabe as futuras gerações sejam mais responsáveis do que a nossa. É preciso que a sociedade pressione seus deputados e senadores, só votando em quem tem propostas bem claras no que diz respeito ao meio ambiente. E fazer valer a legislação ambiental, denunciando fiscais corruptos e servidores públicos mancomunados com empresas poluidoras, com grupos de desmatamento etc.
É difícil fazer isso? E, por acaso, é mais fácil ver o fim do planeta?

Se

se por acaso
a gente se cruzasse
ia ser um caso sério
você ia rir até amanhecer
eu ia ir até acontecer
de dia um improviso
de noite uma farra
a gente ia viver
com garra

eu ia tirar de ouvido
todos os sentidos
ia ser tão divertido
tocar um solo em dueto

ia ser um riso
ia ser um gozo
ia ser todo dia
a mesma folia
até deixar de ser poesia
e virar tédio
e nem o meu melhor vestido
era remédio

daí vá ficando por aí
eu vou ficando por aqui
evitando
desviando
sempre pensando
se por acaso
a gente se cruzasse...


alice ruiz

sábado, 6 de junho de 2009

La Mínima e "A Noite dos Palhaços Mudos"


"A Noite dos Palhaços Mudos" foi o nome do espetáculo que abriu o Filo. Trata-se de uma história escrita pelo Laerte, apresentado aqui pela Cia La Mínima. Dois atores interpretam palhaços que tentam salvar o nariz de um deles, mutilado por um grupo de homens que pretende eliminar todos os palhaços do mundo. Elenco: Domingos Montagner, Fernando Sampaio e Fábio Esposito.

Todo mundo gostou do palhaço nanico, realmente bastante engraçado. Não sei se por conta do meu sadismo, gostei mais do ator careca, que representa o opressor. O cara é impagável.

Filo - Festival Internacional de Teatro de Londrina


Passando por Londrina, aproveitei para ver a abertura do Festival Internacional de Teatro (Filo). É impressionante que uma cidade do interior do Paraná tenha um evento deste porte - e há tantos anos! São 40 edições, reunindo o que há de melhor no teatro mundial.

O nome forte por trás disso é Nitis Jacon (foto), hoje presidente de honra do Filo. Ela foi destacada por todos na solenidade de abertura. Durante muitos anos, foi diretora teatral. Hoje é médica psiquiatra. Ou seja, passou a vida lidando com loucos.

A solenidade de abertura foi aquela coisa quadrada, com autoridades subindo no palco e fazendo discursos previsíveis. Nitis homenageou Reinaldo Maia e Augusto Boal, ambos falecidos neste ano. Grande Boal! Coincidentemente, estou lendo "Aqui ninguém é burro", uma coletânea de textos de quando ele era vereador no Rio de Janeiro.

Ah, o prefeito de Londrina, que se chama Homero Barbosa Neto, tomou uma vaia. Não foi uma vaia homérica, pois se restringiu aos uivos de dois ou três inconformados. Homero Barbosa saiu-se até bem: "Se não tivesse vaia, não seria o Filo". Amigos comentaram, depois, que vaia a prefeito é tradição nas aberturas do festival.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Coisa de criança

CRIANÇAS MUITAS VEZES nos surpreendem com coisas engraçadas. Isso ocorre, por exemplo, com palavras cujo sentido elas desconhecem. De repente, colocam a palavra dentro de um contexto em que acaba destoando por completo, resultando num sentido hilariante. Já citamos aqui, há algum tempo, a história real de uma criança rezando o Creio. A certa altura, fez com que as pessoas próximas explodissem em ruidosas gargalhadas, ao dizer:
- Subiu ao Céu, está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir a “jogar” os vivos e os mortos...

A MESMA CRIANÇA, brincando com um filhote de cão chamado Fred, encontrou enorme dificuldade para prender o animal. Durante bom espaço de tempo, ela buscou todos os meios para botar o cãozinho num canto. Ou porque estivesse entediado, ou porque não aprovasse mais o modo de brincar da criança, a verdade é que o pequeno animal espirrava de um lado para o outro do quintal, fugindo da criança do jeito que podia. Num determinado momento, a garota conseguiu o que queria: levar o animal para um estreito corredor. Ao fundo, um muro. Não havia como o bichinho fugir a não ser passando pela garota. Esta, percebendo a dificuldade do animal, riu com gosto e disse:
- Ah, agora você está num “bacon” sem saída...

POR FIM, UMA QUE aconteceu com a filha de um amigo, uma garota de 13 anos. Ela acordou com dores de cabeça e congestionamento nasal. Levada ao médico pela mãe, veio de lá o diagnóstico: sinusite.
Além de prescrever os remédios, o médico deu um atestado para que ela pudesse justificar a falta em dia de prova. O irmão mais novo, que estuda no período da tarde, ao chegar à escola encontrou algumas amigas da irmã que estavam de saída. Elas perguntaram por que a garota havia faltado à aula. O pequeno, lá na sua inocência, me sai com esta:
- Ela faltou porque está com celulite.

Da arte de envelhecer

REPORTAGEM MOSTRA que a expectativa de vida do brasileiro deve continuar subindo até o final da década. Isso é bom. Um número cada vez maior de pessoas vai ter que aprender a envelhecer. E outro tanto vai ter que aprender a conviver com os idosos. Hoje, esse relacionamento nem sempre é dos melhores, o que é uma pena. Há muito que aprender com os velhinhos, inclusive em matéria de bom humor. O avô de um amigo nosso demora tanto, mas tanto para tomar o café da manhã, que o rapaz fez a seguinte advertência dia desses:
- Vô, anda logo que esse iogurte aí vai vencer em três dias!

JÁ O PADRINHO septuagenário de um amigo falava com o vizinho, mais ou menos da mesma idade:
- Lembra há 40 anos, quando a gente queria ter a cara do Francisco Cuoco? Pois é, agora nós conseguimos...

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Pode mandar que agora tem ônibus!




Achei que era piada, fui investigar e descobri que é verdade.

Existe um lugarejo no interior de Minas Gerais com o nome de Puta que Pariu. Fica na cidade de Bela Vista de Minas, perto de João Monlevade. Fiquei sabendo porque recebi e-mail de um leitor sobre Bela Vista, uma cidadezinha cercada de mato em Minas. Um dos bairros tem esse nome... Acredite se quiser! O município de Bela Vista de Minas foi criado pela Lei nº 2764, de 30 de dezembro de 1962, desmembrado do município de Nova Era, declarando naquele momento, às margens do Córrego do Onça, a Independência de Bela Vista de Minas. A cidade é divida em 7 bairros, Bela Vista de Cima, Lages, Serrinha, Córrego Fundo, Favela, Puta que Pariu e Boca das Cobras (a Europa de Bela Vista).

terça-feira, 2 de junho de 2009

PAROLE

AS PESQUISAS do governo mostram: 10% dos pacientes melhoram diante da simples idéia de ter que se hospitalizar por conta do SUS.

SEGUNDO O TÉCNICO, tenho digitado tanto que até o teclado do meu computador precisa de sessões regulares de fisioterapia.

É COMO DIZIA meu avô: depois dos 50, o que não dói é porque não funciona mais.